sábado, 4 de Janeiro de 2014

Estava solta

Estava solta
A tecla do teu piano,
E os sons agonizados
Voavam alto,
Onde a velha noite cultiva o medo.
As gotas da tua tempestade
Foram mais fortes
Que o vento que te guiava
Abriste as tuas asas
E na tua mão
Seguras para sempre
Um dó maior...

João Vasco

1.º Concurso de Poesia (En)Cantos dos Poetas
Edição da Câmara Municipal de Mogadouro, 2003.

quarta-feira, 18 de Dezembro de 2013

Caminhada dos Gorazes (2013)

Das muitas visitas que tenho feito ao concelho de Mogadouro, houve uma especial de que me apetece mostrar algumas imagens: foi aquando da Feira dos Gorazes, a treze de Outubro de 2013.
A feira é um grande acontecimento, para a vila, para o concelho e mesmo para a região.  Na impossibilidade de estar presente mais de que um dia, escolhi o dia da caminhada (e BTT), para assim matar dois coelhos de uma cajadada só: visitar a feira e fazer uma caminha À Descoberta de mais um pouco do concelho.
A inscrição foi online e gostei. Organização e atendimento 5 estrelas. Tenho participado em eventos semelhantes noutros concelhos e por vezes complicam demasiado as coisas.
No dia da caminhada fui o primeiro a chegar. Dormi em Miranda do Douro e com a preocupação de não chegar atrasado, fui o primeiro a chegar. Não me incomodei com isso, o objetivo era tirar fotografias e os ciclistas já estavam em campo, serviram de modelo.
Constituiu-se um bom grupo e após a partida dos ciclistas, saíram os caminhantes em direção ao castelo. Não fazia ideia do percurso, mas com exceção do termo de Remondes, Brunhoso e Paradela, para mim servia qualquer um, porque não conheço nada mais do que a estrada de acesso às aldeias.
Seguimos em direção ao castelo e depois para o Penedo. Saímos da vila em direção ao marco geodésico do Penedo (777 metros de altitude). Por coincidência ainda tinha estado nesse lugar há pouco tempo.
Reforço em Figueira
Desse lugar em diante tudo seria novidade. Os participantes seguiam a passo certo, não muito rápido, mas mais largo do que passeio. Tirar fotografias equivale a ficar para o fim do "pelotão" num abrir e fechar de olhos, mas já estou habituado a que isso me aconteça.
No grupo seguiam velhos amigos, que não via há algum tempo. Assunto de conversa não faltava e quando me apercebi estávamos a chegar a Figueira.
Reforço em Figueira
No centro da aldeia esperava-nos o reforço. Caminhar abre o apetite e pedalar ainda mais. Ainda tirei algumas fotografias nos arredores da capela, mas não me queria distanciar do grupo.
Parti apressado em direção à igreja, já sem ninguém à vista. Imaginei-me a subir ao alto da serra de Figueira, a beleza das paisagens dali se avistariam. mas não aconteceu. O percurso contornou a serra por sul, passou por baixo do IC5 e continuou até Zava.
Igreja Matriz de Figueira
De Zava apenas conhecia as casas ao longo da estrada (N221) e foi bom verificar que há muito mais para conhecer. Fiquei com vontade de voltar a Zava e dar uma passeio pela aldeia.
Contornámos também pelo sul a Serra de Zava, com mais de 800 metros de altitude, e seguimos para uma zona conhecida por Maçaina e depois para as Águas Férreas. Já se notava algum cansaço e começámos a pensar que o percurso não seria aquele. Seguimos o trajeto do BTT mas já estávamos para além da distância programada para o passeio e ainda estávamos a alguns quilómetros de Mogadouro.
Bovinos de raça Mirandesa
Reencontrámos a Ribeira do Pontão no Porto da Fraga e seguimos ao seu lado à estrada. E foi pela estrada que regressámos ao centro de Mogadouro.
Contas feitas foram pouco mais de 14 quilómetros, sem grande esforço, que terminaram exatamente à hora de almoço.
Zava
No mesmo restaurante juntaram-se os participantes da caminhada, os ciclistas e alguns ranchos folclóricos que iriam atuar durante a tarde. A refeição que deveria ser um momento "saboroso" de descontração, foi o momento mais apressado e desinteressante. Teria sido melhor, até para os restaurantes que a organização tivesse repartido as pessoas por vários estabelecimentos.
A feira esperava-me, ou melhor, o festival de folclore, porque era essa a atividade que eu estava interessado em acompanhar.

Traçado do percurso feito:
 GPSies - Caminhada Gorazes 2013

sexta-feira, 6 de Setembro de 2013

VI Encontro de Bloguers do Planalto Mirandês

Com tanta coisa a acontecer durante o mês de agosto não foi fácil estar no VI Encontro de Bloguers do Planalto Mirandês. Já tive intenção de ir em edições anteriores e faltei, por isso, juntei várias atividades para o fim de semana e fiz a minha inscrição à última hora.
A minha ligação pessoal com os bloguers do planalto não forte. Conheço alguns, mas quase não acompanho os blogues, por falta de tempo, mas também porque não domino a língua mirandesa, que é aquela em que a maior parte se exprime no concelho de Miranda do Douro e arredores. No entanto, cada um à sua maneira, partilhamos muitos dos gostos, das preocupações, dos sentimentos em relação à terra e isso já é razão mais do que suficiente para eu querer estar presente.
De tal maneira estava entusiasmado que fui o primeiro a chegar ao Centro de Música Tradicional Sons da Terra, em Sendim, ponto de encontro intermédio antes de chegarmos a Bemposta. Foi bom assim, porque tive oportunidade de fazer uma visita guiada mais pormenorizada (agradeço ao Mário Correia).
Foi muito interessante verificar o trabalho desenvolvido mas também apreciar o acervo do próprio centro. Constitui um ponto de referência no campo da música tradicional e já um centro de memória, quer de pessoas, quer de sons. E como a música é uma linguagem universal cabem lá outros sons, de vários locais do mundo, com especial destaque para os da raia, porque é como Mário Correia diz "eles (espanhóis) sabem mais da nossa música do que nós da deles".
Chegaram mais pessoas, umas minhas conhecidas, outras não, entre as quais o Leonel Brito, amigo bloguer do Farrapos da Memória, de Torre de Moncorvo. Afinal não estava lá para o encontro, mas para visitar o centro.
De Sendim partimos para Bemposta, no concelho de Mogadouro, onde iria decorrer o encontro. Curiosamente a aldeia de Bemposta foi das últimas aldeias do concelho de Mogadouro que visitei, ainda há pouco tempo atrás, por isso estava com vontade de complementar a recolha fotográfica que fiz nessa altura.
À chegada a Bemposta já estava um bom número de pessoas à espera, acompanhados pelo senhor Presidente da Junta de Freguesia que nos deu as boas vindas e nos acompanhou pela aldeia.
O ambiente era de boa disposição; a maior parte das pessoas já são amigas. À exceção de mim e de mais duas ou três, todos tinham participado em encontros anteriores.
Com mais de uma hora de atraso começámos a visita aos pontos mais importantes da aldeia.
A Capela do Santo Cristo foi-nos apresentada pelo Sr. Padre Bento Pires, que se encontrava no local no final de uma celebração. Os frescos descobertos por detrás do reboco são fantásticos mereceriam maior atenção se tivéssemos entidades mais responsáveis na área do património. Quem conhece a capela de Nossa Senhora da Teixeira, perto de Torre de Moncorvo, e acompanha o que se está a passar lá, não tem muita esperança numa possível recuperação da capela de Santo Cristo.
Percorremos as principais ruas da aldeia com paragens junto aos monumentos e elementos de maior relevância:  Solar dos Marcos, Capela de S. Sebastião, Igreja Matriz, Capela de Sta Bárbara, restos das muralhas do castelo, brasões da aldeia, pelourinho, etc. Felizmente tínhamos connosco um conjunto de pessoas da terra com profundos conhecimentos, incluindo históricos: Presidente da Junta, António Cangueiro e José Maria Curralo. Até tivemos direito a mata-bicho em casa de António Cangueiro, um edifício com uma bonita traça, recuperado com bom gosto. Obrigado.
Já conhecia a maior parte dos locais, mas visitá-los com tão ilustres anfitriões deu-nos o privilégio de ouvirmos histórias das suas vivência e de curiosidades que, doutra forma, nunca chegaríamos a saber.
Uma das maiores surpresas (para além do mata-bicho) foi o aparecimento do famosos chocalheiro de Bemposta. Foi a primeira vez que o vi. É uma figura que merece alguma atenção e fotografias aqui no blogue, mas isso ficará para outra altura.
Já perto das duas da tarde descemos junto do Douro para o almoço. As mesas distribuídas à sombra dos choupos levou à criação de pequenos grupos. Na minha mesa estavam pessoas de Genísio, Cicouro, S. Martinho de Angueira e um grupo de espanhóis. Da ementa, completa e equilibrada, temperada com um bom vinho, destaco uma das iguarias da entrada: orelha de porco.
Durante a refeição tocou o telemóvel de um dos mordomos, era, nem mais nem menos, Amadeu Ferreira, sendinês apreciado por todos, mentor destes encontros, a atravessar um momento difícil. O telefonema trouxe mais alegria ao grupo.
 Terminada a refeição, que teve a presença de um representante da autarquia Mogadourense (João Henriques), regressámos à aldeia, mais concretamente à Junta de Freguesia para vermos uma apresentação eletrónica sobre a história da aldeia, apresentada e comentada por um seu profundo conhecedor, José Carlos. Só foi pena que estivesse um calor intenso, porque seria um bom momento para o grupo conversar.
Foram apresentados os nomes das três pessoas, mordomos, que tratarão de organizar o encontro do próximo ano: Adelaide Monteiro, Teresa Almeida e Tiégui Alves.
 Entregues algumas lembranças do encontro, grande parte dos participantes despediu-se, mas um grupo aproveitou para visitar a Capela de S. Sebastião, porque, entretanto, tinham conseguido a chave. Na paz do seu interior foram lidos poemas do livro "Ars Vivendi, Ars Moriendi” de Fracisco Niebro, poesia de alta qualidade como o próprio irmão do autor Manuel Ferreira reconheceu.
 E foi com a língua mirandesa que terminou este encontro, com poesia, a que se eleva das paisagens ressequidas do verão no planalto e que fazem destas terras, terras de encantamento, onde a simples  contemplação da linha do horizonte acalma a alma dos que por aqui vem e dos que por cá passam.
Como balanço, foi muito positiva a minha participação neste encontro. Fui bem recebido, senti-me bem, apesar de não conhecer a maior parte das pessoas e de não ter estado em nenhum dos encontros anteriores.
Ao que me pude aperceber, a origem destes encontros tem muito a ver com a língua mirandesa e é um dos elementos que mais une os participantes. Se a ideia é estender o encontro a bloguers (e porque não fotógrafos?) de todos o Planalto Mirandês o grupo terá que ser mais aberto, ou nem todos se sentirão bem nele.
Espero puder estar presente no próximo ano. Até lá... muitas vezes nos vamos cruzar nas estradas do planalto.

sexta-feira, 16 de Agosto de 2013

Castelo de Mogadouro

Erguido no século XII, o castelo de Mogadouro foi concedido em 1297 pelo rei D. Dinis à Ordem dos Templários e, alguns anos mais tarde, em 1319, passou para a Ordem de Cristo, sucessora daquela. Hoje conservam-se apenas dois panos de muralha, ligando um deles a torre a um cubelo. A torre, quadrangular e de aparelho "incertum", é acompanhada, não de muito longe, por uma outra de feição mais recente, conhecida como Torre do Relógio. Esta é feita de cantaria nos cantos e aparelho "incertum" a meio. Está dividida em três registos, o último dos quais preparado para receber sinos. Tem um remate piramidal e ostenta nos quatro cantos pináculos de granito. Apresenta-se hoje com graves fendas. Um pouco mais abaixo vêm-se restos de uma outra cintura de muralhas, em mau estado.

sexta-feira, 10 de Maio de 2013

I Encontro de Arqueologia de Mogadouro

No dia 19 de abril desloquei-me a Mogadouro para participar no I Encontro de Arqueologia, que decorreu no auditório da Casa da Cultura e se estendeu durante a tarde em visitas a alguns locais com interesse na área da arqueologia, história e património.
Sempre fui sensível à problemática da barragem do Sabor, e um defensor do rio livre de barragens e por isso tinha bastante interesse em verificar se em termos arqueológicos a minha posição é sustentada, uma vez que há outras vertentes, como a ecológica, que a sustentam largamente.
Visitei há não muito tempo Cilhades e Castelinho, sítios arqueológicos de relevo, mas situados no termo do concelho de Torre de Moncorvo. Entretanto circularam rumores que grandes achados foram feitos a montante, mas estas notícias não interessa muito que corram e sejam mostradas, não vá o diabo tece-las e ainda temos outro Foz Côa.
O programa era ambicioso e começou logo em contra relógio, a uma velocidade difícil de acompanhar. A projeção era má e não consegui ler nada do que era projetado. Das imagens dava para ficar com uma ideia.
As apresentações foram feitas por técnicos e estudiosos no terreno, perfeitos conhecedores da realidade e estavam ordenadas de uma forma cronológica começando na período mais longínquo e acabando na atualidade e alguma perspetivavas de futuro, todas centradas apenas do concelho de Mogadouro.
A plateia era compostas essencialmente por três grupos: o dos especialistas, colegas dos apresentadores e membros das equipas que certamente não tiveram dificuldade em processar a informação; a dos estudantes do secundário, que preferiram assistir a uma palestra em vez de ficarem dentro de uma sala de aulas e a das forças vivas e pessoas influentes, porque fica sempre bem na fotografia aparecer nestas alturas (se calhar até tiveram direito a almoço). E eu próprio? Se calhar juntava-me ao grupo dos estudantes, mas com um pouco mais de entusiasmo.
Os estudos prévios à construção da barragem permitiu deslocar para o vale do Sabor centenas de técnicos de várias áreas e os frutos foram imediatos. Os poucos locais identificados até meados da década de 90 deram lugar a várias centenas. Só ao ar livre há mais de 224 afloramentos com interesse arqueológico. Em 6 escavações foram encontradas mais de 2000 placas de arte móvel, que se podem situar cronologicamente desde o Paleolítico Superior até à Idade Média. É possível escrever a história do vale, ou pelo menos parte dela, recuando até 300 mil anos. Também alguma história do rio. O vale torna-se assim  não só uma referência não só em Portugal, mas na Europa! Se no Côa predomina a arte rupestre gravada em grandes blocos de rochas, aqui predomina a arte registada em pequenas rochas que permitem compreender a evolução a espécie humana e até da fauna, uma vez que muitas vezes são representados animais já extintos, como o auroque.
Os exemplares de placas da Pré-história recente são mais escassos e representam sobretudo o homem. Não faltam também placas da Idade do Ferro, como no Castelinho,  em Crestelos onde já foram descobertas mais de 40 lajes.
Os locais que têm despertado mais interesse são Crestelos (já citado), Barrais e a foz da ribeira do Medal.
Os vestígios da romanização também são bastantes e estendem-se por todo o curso do vale ao longo do concelho, desde Meirinhos a Remondes. Há unidades habitacionais e estruturas anexas, sendo muito abundantes os lagares de vinho, aos pares e fornos de cerâmica. Nestes sítios são encontradas também moedas, sigilatas, vidros, etc.
Foram apresentados os trabalhos desenvolvidos no Castelo dos Mouros, castro situado na aldeia de Vilarinho dos Galegos, mas como ele sítio não corre o risco de ser "afogado" não se sentiu o cheiro a enterro.
Do presente do futuro pouco se falou, o cansaço foi tomando os participantes e palestrantes e também não faltará oportunidade de os discutir.
De todas as apresentações feitas sobressai uma ideia: a riqueza arqueológica do vale do Sabor é imensa. Os próprios arqueólogos estão "de boca aberta". Estão entusiasmadíssimos com o seu trabalho e não podem parar porque sabem que o que deixarem por fazer mergulhará nas profundezas. Não podem falar mais do que o politicamente correto, porque não podem "morder a mão que lhe dá o pão".
O trabalho de campo avança a bom ritmo, mas o de laboratório ainda está muito por realizar, mas esse tem tempo. Falta saber se quando o vale estiver inundado o consorcio construtor da barragem vai manter os arqueólogos e outros técnicos a trabalhar. Confio pouco nas pessoas que apenas vêm cifrões e ligam pouco ao património. Valores morais devem ter poucos.
É de louvar a única voz anti-barragem que se levantou na plateia, penso que a de uma docente da UTAD. Embora não da forma mais correta, lembrou que nem todos os que estávamos ali concordamos com o atrocidade que se está a cometer no rio Sabor.
Na abertura dos trabalhos o presidente do edil Dr. Moraes Machado foi claro que este encontro seria para repetir e que já se encontra em estudo a construção de um edifício junto ao castelo para albergar e mostrar toda esta riqueza. No entanto, ninguém no Encontro garantiu ou mesmo afirmou que os achados arqueológicos ficassem em Mogadouro. Foi afirmado que o assunto tem que ser abordado de uma forma mais alargada, no âmbito regional. A autarquia de Torre de Moncorvo pretende que a antiga escola Primária de Felgar recolha o património do vale do Sabor.
O período da tarde foi ocupado com uma visita ao castro em Vilarinho dos Galegos, ao Museu Municipal e ao Castelo de Mogadouro, deles falarei noutra altura.

segunda-feira, 4 de Março de 2013

Num suspiro do meu pranto

Num suspiro do meu pranto,
Saiu um poema
Do canto do meu olho,
Como lágrima que jorra
Da nascente de pedra
Do meu sentir.
Sem querer
Li o poema
Para descobrir que era teu
E um estranho chamar
Derreteu a caligrafia rugosa,
Deixando mostrar todas as tonalidades
Que um sorriso pode ter.
As pedras da minha calçada
Mudaram o seu rumo
Para a terra do sol
Onde o escuro não faz sentido.
E do meu olho
Apenas saiu uma bola de sabão

João Vasco

1.º Concurso de Poesia (En)Cantos dos Poetas
Edição da Câmara Municipal de Mogadouro, 2003.

sábado, 2 de Março de 2013

Vila de Ala

Pereira em flor em Vila de Ala, Mogadouro

Cruzeiro em Vila de Ala, Mogadouro

sábado, 8 de Dezembro de 2012

Quando eu era Pequenino

Quando eu era pequenino
Não podia suportar
O peso das borboletas
Que me queriam poisar.

Fui crescendo pouco a pouco
E o tempo sempre a girar
Fez de mim este gigante
Gigante de pasmar.

Eu queria ser grande
E grande eu serei,
Com o coração aberto
Para todos cá estarei.

Filipe Górgio

1.º Classificado na 2.ª Categoria do 1.º Concurso de Poesia (En)Cantos dos Poetas
Edição da Câmara Municipal de Mogadouro, 2003.

Fotografia: Freixo, em Brunhoso.

quarta-feira, 7 de Março de 2012

Carro de bois

Começa a ser difícil encontrar exemplares de carros de bois ainda em atividade. O mais normal é vê-los a decorar jardins como peças de museu. Este fotografei-o em Vila de Ala, em 2011.

sexta-feira, 6 de Janeiro de 2012

Mogadouro, gare

Mais um elemento do património do concelho que cai aos pedaços. Não cheguei a conhecer a gare nos seus tempos áureos, mas deve ter sido um local muito bonito a julgar pelos vestígios que ainda se conseguem ver no local.